terça-feira, maio 13, 2014

PAPOULAS POLIPAPOULAS, PEDRO NAVA

Rafael Cardoso lembrou em um post de Facebook:

"Neste 13 de maio, quero lembrar uma data triste na história literária brasileira: há 30 anos, perdemos Pedro Nava, vítima de fantasmas e medos que rondam sempre nossa cultura. Fica minha pequena homenagem a esse grande escritor mineiro, que merecia ser muito mais lido."

- 13 de maio de 1984: O suicídio de Pedro Nava

http://www.jblog.com.br/hojenahistoria.php?itemid=29912

- O suicídio anunciado de Pedro Nava
Humberto Werneck
[21 de julho de 2013]

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-suicidio-anunciado-de-pedro-nava,1055754,0.htm

=> Zuenir Ventura escreveu sobre o tema no livro "Minhas histórias dos outros" (Planeta, 2005) . Fiz um poema sobre o suicídio do Nava, publiquei no meu último livro, “Poemas tirados de notícias de jornal” (Móbile, 2012):


PAPOULAS POLIPAPOULAS

13 de maio de 1984
assim os fatos da memória
uma vida para pôr no papel as lembranças de família
exercita sua escrita frankenstein
deixa um retrato de amargura

chão de ferro nas páginas virgens o maior memorialista brasileiro
que pode adivinhar no infante
o parricida?
caleidoscópio mapas tempo caricaturas memória inconsciente
comentários puzzle baú de ossos
ele era? egon?
classificados: beto da prado júnior
por que não lembrar o galo-das-trevas ou círio
perfeito?
no basfond de copacabana assíduo frequentador em
narrativa benjaminiana proustiana
busque o sinônimo da vergonha
vermelho rubro carmim escarlate carmezim fulvo
ruivo aleonado (fauve) magenta nacarado púrpura
vinhoso garance nácar zarcão rubicundo goles solferino encarnado...
junto da árvore à beira-mar
glória! na têmpora o taurus calibre 32
um tiro
sangue vinho guelras fauces inferno lava vulcão carne
sangue canto de galo clarim toque de clarim grito
de raiva cólera colérico bancos de coral
em que brahmas em brumas pedro nava se afogou?
a ruína da catedral barroca
nava suicidou-se
solidão povoada de fantasmas

corrupção da memória
pare com isso
mocinho chantagista
eu temo mais matar do que morrer desejo ser embalsamado
injeção (dois litros) de formol na artéria femural
ou de preferência na carótida
por que acabar com sua própria vida?
e as memórias?
esquecer é um capítulo da memória (assim como que seu tombo)

Ramon Nunes Mello -“Poemas tirados de notícias de jornal” (2012)

Nenhum comentário: