sexta-feira, maio 01, 2015

SOS ESCOLA DE TEATRO MARTINS PENA

Antes de me formar em jornalismo, estudei na Escola Estadual de Teatro Martins Pena. Na minha turma havia alunos talentosos como meu amigo Jô Bilac, hoje um dos dramaturgos mais atuantes do teatro. Posso afirmar que devo grande parte de minha formação humana, afetiva e intelectual a essa instituição.
Para quem não conhece, trata-se da mais antiga escola de teatro da América Latina, localizada no solar do Barão do Rio Branco, na Rua 20 de abril, próximo a Praça da República. Uma verdadeira incubadora de talentos, tendo entre seu mais ilustre aluno Procópio Ferreira.
A história da Escola de Teatro Martins Pena é marcada pelo descaso do Governo do Estado Rio de Janeiro, que lamentavelmente não a valoriza. Quando fui presidente do Grêmio Renato Viana, durante passagem na Martins Pena, perdi a conta das inúmeras vezes que fui à FUNARTE para conversar sobre o descaso, principalmente ao pagamento dos professores.
Por que uma instituição importante como a Escola Estadual de Teatro Martins Pena é tão desvalorizada? Hoje a escola é administrada pela FAETEC, quando deveria ser administrada pela Secretaria de Cultura do Estado.
Passado alguns, os alunos continuam brigando com o Governo do Rio de Janeiro pela mesma situação:
"No início do semestre atual, a Martins Penna se despediu de 5 professores e 4 funcionários. Algumas disciplinas estão interrompidas desde então, mas nos reunimos em uma assembleia de professores, funcionários e estudantes, optando por manter a escola em funcionamento apesar disso. No dia 28 de maio, entretanto, perderemos mais 15 professores e 9 funcionários, o que causará um desfalque irremediável, e a consequente paralisação das aulas.
Estamos também sem telefone e internet, a escola está incomunicável, e não há recebimento de verba a contar de outubro do ano passado. Nossas estruturas são antigas e necessitam reformas para garantir o mínimo que é a segurança dos funcionários, professores e estudantes que utilizam esses espaços todos os dias. O orçamento da escola é absurdamente ineficiente para o atendimento das necessidades mais básicas, o que dirá para aperfeiçoamentos. A nossa escola de teatro está parada no tempo."
Peço a Senhora Secretária Estadual de Cultura, Eva Doris Rosenthal, e o Senhor Presidente da Funarte, Francisco Bosco, pessoas que respeito, atenção com a Escola de Martins Pena. Convido aos alunos, ex-alunos, artistas dessa cidade, a cobrar do Governo do Estado uma posição de responsabilidade com essa instituição tão importante na história do teatro brasileiro.
Sociedade civil, mídias e as autoridades aceitem o convite dos alunos para visitar a Escola de Teatro Martins Pena no dia 30 de abril, a partir das 17 horas, quando haverá o Ato Artístico Martins Resiste, e uma grande roda de conversa em busca de solução para as dificuldades.
Evoé!
Ramon Nunes Mello
sobre a sobrevivência da Etet Martins Pena
vídeo que realizei em 2008 na ocasião do centenário da escola
uma história de resistência, diante do permanente descaso do Governo do Estado do Rio de Janeiro

no momento em que se discute a Educação no Brasil, é importante lembrar da Escola Estadual de Teatro Martins Pena.
e cobrar da Secretaria Estadual de Cultura do Rio de Janeiro, da Faetec e da Funarte a necessidade de tombar essa instituição como patrimônio imaterial

Nenhum comentário: